Notícias

FEMINICÍDIO - Justiça condena homem que matou ex-namorada grávida a 18 anos de prisão

Fabrício da Silva Gadelha Júnior foi preso preventivamente e deve responder pelo crime em regime fechado.

Fotos: Nucri TJRR 

FEMINICÍDIO - Justiça condena homem que matou ex-namorada grávida a 18 anos de prisão

 

Em julgamento realizado pela 2ª Vara do Tribunal do Júri do Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR), Fabrício da Silva Gadelha Júnior foi condenado a 19 anos de prisão em regime fechado, pelo crime de feminicídio. A sessão que ocorreu na segunda-feira, dia 05, foi conduzida pelo juiz substituto Nildo Inácio.  

Ele foi denunciado por ter assassinado a ex-namorada, Juliana da Silva Rodrigues, que estava grávida. A motivação alegada foi o fato de ele não aceitar o fim do relacionamento com a vítima. Após ela ter se recusado a receber um beijo, foi atingida por um golpe de canivete no pescoço. 

Os jurados reconheceram, por maioria, a materialidade e a autoria do crime de homicídio qualificado. A pena foi agravada devido ao aborto provocado sem consentimento da vítima. Conforme decisão dos jurados, o crime foi praticado na modalidade qualificada pelo motivo torpe, por meio que dificultou a defesa da vítima. 

Também constam como agravantes o fato de ela estar grávida e por se tratar de um feminicídio, que é homicídio o contra a mulher por razões da condição de sexo feminino. Por outro lado, a menoridade relativa e o fato de ele ter confessado o crime constaram como atenuantes.

Fabrício está preso preventivamente e deve permanecer no sistema prisional. "Não se vislumbra qualquer alteração da situação fática que ensejou a concessão da medida cautelar. Ao contrário, agora reforçados os pressupostos pela condenação, inclusive em regime fechado. Deste modo, não concedo ao réu o direito de recorrer em liberdade", diz a decisão.